Posted by: Coelho Sinistro | 30/06/2011

O OUTRO LADO DA REALIDADE – PARTE 3

O vento soprava forte lá fora, seu assovio era o único som a quebrar o silêncio da noite e ao mesmo tempo tornar aquela cena mais dantesca e arrepiante.

Desviei meu olhar do espectro por alguns instantes e percorri as paredes do quarto a procura da origem da luz. Constatei que ela não partia de lugar nenhum,  apenas iluminava. De repente uma voz forte, firme e de um timbre indefinido, ecoou pelo ambiente: Daniel, você está consciente de que isto não é um sonho? (Clique aqui para ler o outro lado da realidade – parte 2)

Percebi claramente que a voz não partia do espectro, aliás ela não partia de nenhum ponto específico, parecia vir de todas as direções, como se houvesse alto-falantes espalhados pelo ambiente. Um leve eco sobre saía  ao final de cada palavra, dando a impressão que a voz vinha de muito distante deste mundo. Impressionado e meio confuso, respondi com outra pergunta:

– Quem é você?

Este não é o momento certo de você fazer perguntas e sim de respondê-las. Você está consciente de que isto não é um  sonho?

Notei uma certa irritação na voz ao repetir a pergunta. Achei que aquilo talvez não fosse bom, então respondi afirmativamente.

– Sim, estou.

Ótimo, agora preste muita atenção no que vou dizer. Não me interrompa e nem faça perguntas, a menos que seja solicitado, apenas ouça e lembre-se: nada do que eu disser voltarei a repetir.

Não sei porquê, mas aquela voz não me era estranha. Eu estava meio confuso,  não conseguia lembrar. A voz continuou:

Até agora você se comportou de forma regular. Através da leitura tornou-se uma pessoa bem informada e atualizada. Mas terá  que melhorar ainda mais para assumir sua missão de predestinado.

Quando a voz disse; “predestinado”, eu lembrei, “é o Sr. Jonathan, foi ele que disse que eu era um predestinado quando lhe contei meus sonhos.”

Meu pensamento foi interrompido pela voz: Daniel, eu não sou o Sr. Jonathan. A imagem daquele homem, que já havia falecido, só foi usada como um meio para que você me visualizasse  e assim pudéssemos manter contato. Agora, pela última vez: Preste atenção e não me interrompa novamente.

A minha surpresa foi enorme. Como ele sabia o que eu estava pensando?

– Desculpe-me senhor, mas acho que não o interrompi, foi apenas um pensamento.

Nenhum pensamento seu é segredo para mim. Quanto a saber quem eu sou, no momento oportuno você saberá. Agora eu vou prosseguir e se houver mais uma interrupção eu deixo você. E se eu deixá-lo o seu destino será um hospício, portanto concentre-se. É o seu futuro, é da sua vida que estamos falando.   

Naquele momento confesso que senti um pouco de medo. A voz foi tão clara e incisiva que procurei “desarmar” a minha mente, me concentrar e ouvir com atenção suas palavras.

A minha vinda aqui foi antecipada em virtude de dois deslizes que você cometeu, o primeiro foi  quando se apaixonou e o segundo foi quando  pensou em suicídio. Apesar de  ter conseguido superá-los parcialmente, você estava prestes a cometer o terceiro e fatal erro; procurar aconselhamento e tratamento médico. Vou deixar bem claro: Você não tem e nunca teve doença alguma.

 Quanto aos seus sonhos eu vou fazer apenas  uma prévia, porque como eles estão diretamente relacionados à mente (uma área do cérebro extremamente complexa) seria difícil para você entender agora uma explicação mais detalhada.

Por ora, é o bastante você memorizar três palavras: Subconsciente, Consciente e Superconsciente. É nessa região que está concentrada o comando, o conhecimento, o poder, o histórico da existência do ser, além de outras forças poderosas. Essa divisão da mente em três partes (subconsciente, consciente e superconsciente) foi feita pelo homem visando facilitar o estudo e o entendimento sobre o seu funcionamento, inclusive a cada uma das partes foram atribuídas funções específicas. Mas como os resultados não têm sido satisfatórios, é possível que futuramente essas denominações sejam alteradas e algumas até suprimidas.

 Enquanto por um lado doutrinas religiosas divergem nas explicações e conclusões sobre o conteúdo e as  funções da mente, por outro lado renomados cientistas têm buscado, ao longo de centenas de anos de pesquisas, encontrar um caminho que os conduza ao ponto “X” da questão; o superconsciente.  As tentativas nunca os levaram além da superfície (uma espécie de antecâmara) que dá acesso ao subconsciente, já que nenhum tipo de informação externa chega a outros setores da mente sem passar por uma rigorosa triagem nesse portal. A partir desse ponto toda informação descartável acessa um caminho que dá origem a múltiplos caminhos, os quais dão origem a novas  antecâmaras que levam a labirintos, e assim sucessivamente. Essa espécie de labirinto em movimento é intransponível, visto que os pontos de chegada se alternam constantemente, terminando sempre no ponto de partida. Esse fantástico artifício natural não permite que visitas  indesejáveis vasculhem a mente, ao mesmo tempo em que mantém o superconsciente totalmente protegido, à prova de estudos, insondável, inatingível.

A razão de tanta segurança? É que no interior do superconsciente está guardado o GRANDE SEGREDO, objeto de desejo de todos os humanos, especialmente àqueles que  fazem parte de comunidades médicas, científicas e religiosas.

No decorrer da sua missão você  não só ficará conhecendo os mistérios que  envolvem o maravilhoso mundo da mente, como também aprenderá a interagir 100% com ela e fazer uso dos  super poderes  que nela existem.

 Voltando aos sonhos: Quando uma  pessoa comum sonha,  ela visualiza o que  está  gravado em sua mente. Por se tratar de imagens gravadas (assim como uma fotografia ou um filme) as pessoas ou lugares visualizados  nunca se alteram e nem envelhecem. É por isso que todas as vezes que essas visualizações se repetem, elas estão sempre iguais, ou seja, com a mesma aparência da época em que foram vivenciadas, ou quando muito, iguais à última vez em que foram vistas.

Em resumo; o sonho de uma pessoa comum nada mais é do que uma “viagem” desordenada para dentro da própria mente.

 Em pessoas como você, é diferente. Quando sonha você se transporta (viaja) para fora da mente,  e é por isso que vê pessoas que nunca conheceu e  lugares onde nunca esteve.

 A partir de amanhã, comece a registrar com detalhes tudo que você ver e ouvir durante o sonho. E lembre-se que essas visões  foram ou são fatos reais, não importa quando  ou onde elas aconteceram.

Enquanto isso, procure se aprofundar o máximo possível nas informações  sobre os seguintes assuntos:  A origem da vida na terra, datas dos acontecimentos e suas causas, as descobertas e o comportamento dos  homens através da história.

À medida que você for  conhecendo a história como o homem a escreveu, você vai comparando com os fatos  presenciados nessas viagens. Conhecendo as duas versões dos acontecimentos, a que o homem escreveu e a que você presenciou,  descobertas surpreendentes e até estarrecedoras virão à tona.

A minha missão será orientá-lo para que você faça essas viagens de forma consciente e entenda  o significado delas, bem como das experiências pelas quais irá passar. Mas não se preocupe,  a partir de hoje eu estarei ao seu lado, tanto nessas  viagens como no seu dia a dia, eu não serei visível mas falarei com você sempre que for necessário.

 Porém, para que possa desempenhar bem a sua missão é necessário que você comece a exercitar algumas habilidades conhecidas como  “paranormais, premonição, telepatia e etc.”. Essas habilidades, todas as pessoas possuem, mas para fazer uso delas é preciso estimular áreas específicas da mente, o que só é possível através da interatividade.

Quanto mais forem exercitadas, maior será a resposta da mente e melhor  será o resultado.

No decorrer da sua missão,  ensinarei a você como e quando fazer uso dessas e de outras habilidades.

 Durante esse processo de adaptação é preciso que você tenha  paciência e muita calma, qualquer erro ou falha na execução da missão poderá ser catastrófico.

E quanto ao meu nome, por enquanto pode me chamar de  monitor, guia, mentor ou seu mestre,  como achar melhor. Quando você souber quem realmente eu sou então estará pronto para seguir sozinho em sua missão.

 

Um lembrete pra finalizar; nos próximos dias você terá uma surpresa agradável no seu emprego e em breve terá também uma gigantesca biblioteca de conhecimentos mundiais, que poderá ser consultada a qualquer hora em sua casa ou no seu trabalho, isso facilitará bastante a sua missão.

            Por hoje é só, voltarei a vê-lo a qualquer momento.

 O espectro foi se apagando, a luz azulada foi diminuindo, até que o quarto voltou a mergulhar em total escuridão. Continuei na mesma posição por mais alguns instantes.  Comecei a sentir frio, fui deslizando lentamente sob os cobertores até cobrir totalmente o corpo e a cabeça. Adormeci em seguida.   

Acordei pela manhã no horário de costume. Minha mãe já estava com o café na mesa, sentei-me ao lado dela e perguntei:

– Mãe, você notou alguma coisa estranha pela casa nessa noite, tipo pessoas conversando ou luzes acesas?

– Não, porquê?

– Por nada, devo ter sonhado.

Terminei meu café e fui para o trabalho.

   Pouco mais de um mês havia passado. Nada de importante aconteceu,  os sonhos também deram uma trégua, apenas dois tinham ocorrido. Eu seguia a orientação da “voz”, (do guia), registrei os dois sonhos e procurava ler tudo que era possível sobre os assuntos sugeridos, aproveitei e li também vários que mostravam pesquisas e comportamentos da mente humana. Como ele disse, o assunto é bem complexo e as conclusões são bastante contraditórias.

Todas as noites eu pensava muito nas palavras da voz misteriosa.  É justo dizer  que depois de ouvi-las eu me senti bem melhor, fiquei mais calmo, sem aquela tensão emocional que parecia querer me induzir à prática de atos extremos. Outra coisa que me deixou aliviado foi ter a certeza de que não sofria de nenhuma perturbação mental, ou coisa parecida.

Mas, algumas outras coisas que ele disse me deixaram encafifado,  por exemplo:

Como ele sabia de certos assuntos relacionados a mim, e que eu nunca comentei com ninguém?

Como ele “ouvia” os meus pensamentos?

E se ele “ouve” o que eu penso, e disse que estará sempre ao meu lado, então  como fica a minha privacidade?

O que será que ele quis dizer com “outras habilidades” além das paranormais?   

E o Grande Segredo guardado no superconsciente, o que será?

Bom, essas respostas eu vou querer saber na próxima vez que ele falar comigo,  porque até agora não sei sequer o seu nome e nem quem ou o que ele é.

Certo dia, logo pela manhã, o patrão me chamou na salinha que funcionava  como escritório da livraria:

– Daniel, eu tenho uma ótima notícia para você.  No próximo mês vamos inaugurar uma filial na Rua Direita, e como reconhecimento à sua dedicação e ao excelente trabalho prestado até hoje, escolhemos você para gerenciar a filial, isto é, se você aceitar é claro.

A minha alegria foi imensa e foi também com muita emoção que abracei respeitosamente o patrão e agradeci os elogios recebidos.

– É claro que eu aceito. E o senhor pode ficar certo de uma coisa; Se o sucesso dessa nova loja depender do meu trabalho, ela já é um sucesso.

– Era o que eu esperava de você.  Depois conversaremos sobre o seu novo salário e suas comissões.

Eu me sentia o cara mais feliz do planeta. Saí do escritório e a primeira coisa que me veio na mente foi o espectro: “Ele já sabia!. Ele disse naquela noite que eu teria uma surpresa agradável no meu trabalho. Não sei como, mas ele sabia!!!”

Essa constatação me deixou ainda mais confiante. Agora só restava aguardar a chegada da gigantesca biblioteca de conhecimentos mundiais, disponível a qualquer hora. Isso ele também disse.

A correria diária era grande, a filial estava recebendo mercadorias dos fornecedores e sendo preparada para a grande inauguração. Eu passava boa parte do dia lá, organizando tudo. A nova loja estava ficando um espetáculo.

Era uma tarde de sexta feira, eu encerrei os trabalhos na futura filial, dispensei o pessoal auxiliar fechei as portas e voltava para a matriz. Quando estava próximo ao Largo de São Bento deparei com um grande número de pessoas que olhavam apavoradas para o topo de um edifício comercial. Parei e olhei também. No alto do prédio, que deveria ter mais ou menos uns 12 andares, um homem estava sentado à beira da marquise, na iminência de se atirar.

Parte da multidão gritava desesperada para que ele não pulasse. Alguns engraçadinhos pediam que ele saltasse logo porque tinham compromisso e não podiam ficar ali perdendo tempo. Mas o homem se mantinha alheio ao apelo das pessoas. De repente, o pior aconteceu. A tragédia se consumou. Num movimento rápido o homem inclinou o corpo para frente e projetou-se no vazio. A multidão se espalhou aos gritos e um claro se abriu dando passagem ao corpo, que se estatelou no asfalto. O impacto foi violento, brutal. Pedaços do corpo e respingos de sangue se espalharam pelo chão. A cena era horrível. Um  silêncio sepulcral se abateu sobre as pessoas.

Naquela fração de segundos que durou o silêncio, ouvi uma voz firme, e ao mesmo tempo suave, que me disse:

O estado emocional daquele homem é desesperador, ele vai pular a qualquer momento. Mas  você pode salvar a vida dele.

“Salvar a vida dele!!?…” – perguntei a mim mesmo – “Eu estou chocado com a cena que acabo de assistir. Horrorizado vendo aquele corpo despedaçado no chão. Eu nunca tinha visto nada igual. E se não bastasse tudo isso ainda vem o espectro me dizer que eu posso salvar a vida daquele homem. Como posso salvar a vida de alguém que já está morto? Meu Deus, me ajude. Se eu não sou louco, como é ser louco?!!”

Você não precisa da ajuda do seu Deus e também não é louco. E pare de me chamar de  “espectro” que eu não gosto. Se você acha que o homem está morto olhe novamente para o alto do prédio.

Olhei para cima. Não acreditei no que vi. Lá estava o homem sentado na marquise, tal como quando cheguei. Olhei para o chão, não havia nenhum corpo. Olhei para as pessoas ao redor. Elas continuavam implorando para que ele não se atirasse, como se não tivessem acabado de ver ele se atirando. Mas porquê?. Ta tudo errado, aquilo não era real. Todos viram o homem se atirar. Todos viram ele arrebentado no chão. Morto. Eu vi o horror estampado no rosto das pessoas. E agora ele está  de novo lá em cima, vivo, e essas mesmas  pessoas gritando para ele não se atirar. Era como se o que acabou de acontecer não tivesse acontecido. “Que diabo está havendo? Que loucura é essa?”

A sucessão dos fatos foi tão rápida que superou a minha capacidade de entendimento. Nada tinha lógica ou sentido, estava além da compreensão.

A única conclusão que consegui chegar para explicar o tamanho do absurdo que presenciei, foi tão absurda quanto o fato em si, ou seja:

“O espectro, (desculpe) o meu mestre, FEZ O TEMPO RETROCEDER.”


Responses

  1. Onde está o restante da historia?

  2. Ei, Coelho Sinistro,
    Cadê a parte 4? Estamos ansiosos para saber o final desta história!!!

  3. Worth Your Time…

    Fascinating story, a bit off the topic, nevertheless really worthwhile taking a look…

    • Caro Amigo:
      Obrigado pelo comentário e por prestigiar o nosso Blog.
      Quanto a sua observação em relação a história, entenda que assim como a fantasia está distante da realidade, o oposto também é verdadeiro.
      Esta história não é fruto de estudos, pesquisas ou opiniões. Esta é uma história real e como tal, pode contrariar crenças, denominações religiosas e conclusões científicas.
      Continue acompanhando, o desfecho final é ainda mais fascinante e surpreendente.
      Abraços:
      Coelho Sinistro

  4. Não viaja Coelho Sinistro, esse comentário em inglês é só SPAM, não foi alguém de verdade que comentou.


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Categories

%d bloggers like this: